Dicas que vão ajudar sua pequena empresa a estar mais segura no mundo digital

51 Gomes E Araujo - Gomes e Araújo Contábil

Compartilhe nas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

15 dicas de cibersegurança para pequenas empresas

A transformação digital mudou a maneira como a sociedade compra e vende, e ajudou as pequenas empresas a alcançarem novos clientes e a ganhar eficiência e produtividade.

Ao mesmo tempo, os clientes estão percebendo que comprar digitalmente é mais conveniente do que comprar em lojas físicas.

Desde o início da pandemia, o e-commerce cresceu mais de 50% e os pagamentos de pessoa a pessoa dobraram, de acordo com um levantamento realizado pela Visa.

Mas esse crescimento nos pagamentos digitais teve um custo: os ataques cibernéticos sofisticados aumentaram. Mais de 80% das empresas globais registraram um aumento nas ameaças cibernéticas durante a pandemia, especialmente em épocas de pico, como natal e Black Friday.

Para poder enfrentar essas ameaças e adotar uma estratégia com o objetivo de proteger os negócios, funcionários e clientes, confira 15 dicas essenciais:

  • Mantenha seu dinheiro seguro: o online banking pode ser uma maneira segura e conveniente de gerenciar as finanças da empresa, mas não deixe de manter sua conta privada e segura tomando precauções extras.
  • Use senhas exclusivas e fortes: crie uma senha exclusiva para cada conta empresarial, distinta de sua senha pessoal. É recomendável mesclar números, letras maiúsculas e minúsculas e não salvar os dados de login no banco online ou no aplicativo móvel.
  • Evite acessar suas contas comerciais usando redes Wi-Fi públicas: fazer login em suas contas usando uma rede Wi-Fi pública pode expor sua empresa a atividades criminosas. Verifique se a rede Wi-Fi do seu local de trabalho é segura e invisível para usuários não autorizados. O nome do roteador não deve ser mostrado  externamente e o acesso deve ser protegido por senha.
  • Escolha dois fatores de autenticação: essa medida de segurança exige uma etapa extra além da senha para acessar a conta, como receber um código de segurança via celular ou e-mail para conseguir acessar a conta por meio de um dispositivo não reconhecido. Veja se seu banco disponibiliza esse serviço ou baixe um aplicativo de autenticação gratuito.
  • Cuidado com e-mails suspeitos: você pode receber e-mails maliciosos que parecem vir do seu banco ou de uma empresa confiável. Nesses e-mails forjados, os criminosos podem pedir para você acessar sua conta (por meio de uma página web idêntica à do seu banco) ou para reenviar informações comerciais que eles usarão posteriormente para acessar sua conta e roubar seu dinheiro. Acesse sempre a página do verdadeiro remetente para evitar enviar informações via e-mail.
  • Instale um software antivírus e atualize-o constantemente: o software antivírus do seu computador deve estar sempre atualizado e configurado para fazer varreduras regularmente. Troque as senhas se detectar um vírus.
  • Treine seus funcionários em cibersegurança: implemente um protocolo de segurança para os funcionários, como o uso de senhas fortes, autenticação de dois fatores, adoção de diretrizes de uso da internet e aplicação de possíveis penalidades quando as políticas da empresa forem descumpridas. É essencial que eles sejam treinados para detectar possíveis roubos de identidade.
  • Proteja o acesso aos computadores da empresa: bloqueie os notebooks quando eles não estiverem sendo usados; além disso, cada funcionário deve ter um nome de usuário e uma senha segura e exclusiva. Seja criterioso ao conferir privilégios administrativos e não permita que um funcionário tenha acesso a todos os sistemas de dados ou permissão para instalar todos os softwares.
  • Habilite o firewall do seu sistema operacional: o firewall impede que pessoas de fora acessem dados em uma rede privada. Se os seus funcionários trabalham de casa, certifique-se de que os computadores que eles usam estão protegidos por um firewall.
  • Proteja os dispositivos móveis da empresa: exija que seus funcionários usem uma senha de proteção nos dispositivos e instalem aplicativos de segurança para impedir que criminosos roubem informações enquanto o celular estiver usando redes públicas. Tenha procedimentos para a comunicação de perda e roubo de equipamentos.
  • Faça backup dos dados da empresa: faça backup de dados regularmente em todos os computadores, de forma automática ou no mínimo uma vez por semana. Armazene todos os documentos financeiros e comerciais essenciais na nuvem ou em um disco rígido externo, mantido fora da empresa.
  • Evite fraudes de pagamento: isole seus sistemas de pagamento de programas que possam ser menos seguros e que não usem o mesmo computador que você usa ao navegar na internet para processar pagamentos. Ao configurar a aceitação de pagamento, informe-se com seu banco sobre os serviços antifraude disponíveis, como o código CVV (os 3 ou 4 dígitos no verso do cartão) e a pontuação de risco nas transações.

O serviço de autorização avançada da Visa, por exemplo, usa dados em tempo real para prever fraudes, e evitou a perda de cerca de US$ 26 bilhões com fraudes em 2021. Importante destacar o papel do 3DS 2.0, protocolo que estabelece um fluxo de comunicação entre a indústria de pagamentos e os estabelecimentos comerciais para que a aprovação da transação online seja ainda mais assertiva e segura, sem impactar a experiência do consumidor durante a compra.

  • Aceite pagamentos tokenizados: as transações tokenizadas, como as do Apple Pay, Google Pay e Samsung Pay, conseguiram reduzir fraudes e evitar a exposição dos números dos cartões ao substituí-los por tokens exclusivos. A tokenização aumentou em 2,5% os índices de aprovação de transações e reduziu em 28% os índices de fraude. Busquem com seus emissores parceiros como ter acesso a essa tecnologia.
  • Proteja os dados do consumidor: é fundamental que você proteja os dados do consumidor ao aceitar pagamentos digitais, especialmente quando a maioria das atividades financeiras ocorre na nuvem. Converse com seu provedor de aceitação de pagamento sobre serviços de proteção ao consumidor. Por exemplo, o Cloud Token Framework da Visa ajuda a melhorar a segurança e a aumentar os índices de aprovação de transações digitais em diferentes experiências e dispositivos de pagamento.
  • Reduza os riscos de pagamentos através de controle de transações: se você tem um cartão de crédito comercial, veja se o banco que o emitiu oferece plataformas que permitem o  controle de despesas e do uso do cartão, como os Controles de Pagamento da Visa, que são particularmente úteis quando os funcionários usam o cartão para pagar despesas comerciais. Monitore cuidadosamente as finanças e as despesas do seu negócio para protegê-lo de fraudes e roubos internos.

Fonte: Contábeis

PRESSIONE AQUI AGORA MESMO E FALE JÁ CONOSCO PARA MAIS INFORMAÇÕES!

Classifique nosso post [type]

Compartilhe nas redes:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Posts Relacionados

Recommended
Trabalhadores CLTs precisam entender o que é o aviso prévio…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top